Entrelaçado em opiniões polêmicas, um dos maiores entusiastas do libertarianismo, Milton Friedman, apresenta argumentos sobre o que para ele é um fato: os programas governamentais, em sua grande maioria, não beneficiam aqueles que estão na classe mais baixa e nem na mais alta, mas sim os pertencentes à classe média.

Nesta palestra, o economista explica como o sistema político atual funciona. Pensando em bases tributárias, a lógica comum diz que 51% destas bases seriam formados pelas classes mais baixas, contra 49% das classes mais altas, mas essa não seria a maneira mais efetiva de se criar uma coligação.

O fato é que essas pessoas da classe mais baixa tendem a ser menos habilidosas e efetivas politica e economicamente. Então, quem seria mais efetivo para a política? Se você pensou na classe média, pensou igual a Friedman.

O Mito de Robin Hood – Milton Friedman(2)

“Quem é mais efetivo em atividades políticas? Aqueles de nós da classe média. Nós somos os alfabetizados, os que escrevem para os jornais, os que sobem em palanques. E somos nós também que damos suporte aos candidatos.” – Milton Friedman

Friedman explica que a coligação não é formada do topo para baixo até formar os 51% porquê é necessário sacrificar alguns votos para obter uma base tributária maior, sendo então mais lógico abordar desde a baixa classe média até a alta classe média, deixando de fora tanto os mais pobres quanto os mais ricos.

O exemplo usado para explicar essa teoria é a educação superior financiada pelo estado: “Quem são as pessoas que frequentam esta universidade? Em sua maioria pessoas da classe média, seja alta ou baixa. E quem paga por essa educação? Todos! Em formato de impostos, inclusive as pessoas que não frequentam essa universidade”, diz o libertário durante a palestra.

Friedman considera ainda que, em quase nenhum programa governamental, as pessoas que pagam taxas tem renda maior do que aquelas que recebem benefícios, dando a entender que, em grande parte dos casos, o aparato governamental não é tão útil quanto seria o livre mercado, por exemplo.

E você, concorda com a posição de Milton Friedman? Assista a palestra, acrescente essa teoria a seus conhecimentos e realize bons negócios.

Escrito por Larissa Moutinho, jornalista MTB 6805, assessora responsável pela comunicação da TORO Investimentos. Foi editora da Revista ADVFN e jornalista da InvestMais. Pós-graduada em marketing e pós-graduanda em finanças.

Anúncios