Neste episódio do Minutos do Tesouro Direto, realizado pela TORO Investimentos, o tema abordado é o agente de custódia, uma questão importante para investimentos que atuem com títulos públicos. O economista Carlos Decotelli, comanda esta aula sobre alguns pormenores do programa de títulos públicos do Governo Federal.

O investidor e a custódia

Para aplicar dinheiro nos títulos do Tesouro Direto, o investidor precisará possuir CPF e um cadastro em um agente de custódia (que pode ser uma corretora ou um banco). Uma vez aprovado o cadastro, o investidor cria sua senha restrita e pode comprar seus títulos no site do Tesouro ou no de seu agente de custódia.

Outra grande vantagem que o programa de títulos públicos oferece é a possibilidade de investir com pequenos valores, podendo realizar operações de R$ 30,00, por exemplo, chegando ao máximo de R$ 1 milhão.

Vantagens de um agente de custódia

minutos-do-tesouro-o-agente-de-custodia

O agente de custódia é importante porque auxilia o investidor em diversos quesitos como:

  • Orientação e suporte
  • Construção do desenho estratégico do investimento
  • Detalhamento e esclarecimento do plano de aplicação

O desenho do seu plano de investimentos é feito junto ao agente e por isso é necessário fornecer dados como pretensão salarial e saúde financeira para elaborar uma boa estratégia.

Dessa forma é possível encontrar o melhor título para aplicar seu dinheiro. Pesquisar e estudar mais sobre investimentos e aplicações também pode lhe ajudar a obter melhores rendimentos na hora de investir.

Para saber mais sobre Tesouro Direto, acesse: http://www.investirnotesourodireto.com.br. Visite também o site da Fazenda.

Confira mais informações sobre o Tesouro Direto nos próximos vídeos da série aqui no VMF.

Escrito por Larissa Moutinho, jornalista MTB 6805, assessora responsável pela comunicação da TORO Investimentos. Foi editora da Revista ADVFN e jornalista da InvestMais. Pós-graduada em marketing e pós-graduanda em finanças.

Anúncios