Inflaçãodeflaçãotaxa de juros… Essas são algumas das nomenclaturas econômicas que estão em pauta nos últimos meses. Neste vídeo do Estadão, esse fenômeno econômico é apresentado de forma rápida e simples.

A economia brasileira vivenciou uma inflação altíssima, que pressionou os preços e ocasionou alta em diversos setores (como o de alimentos, por exemplo), afetando a população. No mês de junho, pela primeira vez em 10 anos, o Brasil teve uma queda do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e isso fez a inflação entrar em território negativo, ou seja, ocasionando a deflação.

Inflação ao contrário

A deflação é o oposto da inflação, que quanto maior eleva o preço de bens e serviços. Em uma situação deflacionária, o consumidor pode observar a queda destes preços.

Entre os motivos para a queda, a baixa pressão nos preços de alimentos e bons períodos de safras de algumas culturas (que também influenciam nos preços dos combustíveis). Consumidores com menos dinheiro no bolso também ocasionam a deflação.

Porém, esse fenômeno nem sempre é positivo, pois pode ser resultado da junção de baixo consumo e alta produção, o que faz com que os produtos fiquem parados, que ocasiona queda no valor de venda dos mesmos. Quando a recessão vem acompanhada de um cenário como esse, os economistas podem considerar a existência de uma recessão.

Após assistir a esse vídeo, na sua opinião, o resultado desta inflação negativa no mês de junho é positiva ou não?

Bons estudos e bons negócios!

Escrito por Larissa Moutinho, jornalista MTB 6805, assessora responsável pela comunicação da PHI Investimentos. Foi editora da Revista ADVFN e jornalista da InvestMais. Pós-graduada em marketing e pós-graduanda em finanças.

Anúncios